Care Club – Health Center | Centro de Saúde | Medicina, Fisioterapia, Nutrição, Treinamento, Spa e muito mais

O estresse aumenta a fome?

por Júlia Cestari, nutricionista

O estresse inibe uma região do cérebro chamada de córtex pré frontal, relacionada com o controle inibitório, componente que possibilita o domínio sobre atenção, pensamento, comportamento e emoções.

Uma rotina estressante e cansativa acarreta num desgaste emocional/físico significativo. Esse indivíduo estressado tende a buscar a comida como forma de aliviar o sentimento, em uma espécie de compensação, resultando no bem-estar momentâneo.

E qual o problema disso?

O cérebro entende que todas as vezes que acontecer um evento estressor, existirá um alimento para compensar a sensação. Esse comportamento será cada vez mais endossado até se tornar um HÁBITO.

A partir desse momento, toda vez que essa pessoa não estiver bem, incluindo tristeza, dor, raiva, solidão, o seu cérebro vai induzir o consumo alimentar.

O oposto também acontece. Nós, seres humanos, sentimos necessidade de buscar o prazer extremo em tudo, portanto, comer em um momento de muito felicidade, amplia essa sensação e gera o ciclo de busca e compensação = criação do HÁBITO, sendo o controle do ambiente muito importante para que essa atitude não se torne rotina. Sem o alimento de desejo, não há a busca, mesmo dentro de uma situação desconfortável.

Clique aqui e saiba mais sobre os serviços e especialistas de Nutrição da Care Club.

JÚLIA CESTARI
É Nutricionista na unidade da Care Club Piracicaba/SP

ARTIGOS RELACIONADOS

Fisioterapia

Existe um Limite do Desempenho no Esporte?

Muitos acreditam que é na fadiga e no cansaço onde podemos identificar o limite, mas é aí que está a graça da conversa, já que eles nos ajudam sim a identificar o momento, mas a precisão desses indicadores pode ser mais ou menos correta, dependendo da pessoa, circunstância e contexto da prática esportiva.

SAIBA MAIS »
Fisioterapia

Nem sempre o fortalecimento será a solução das lesões nas corridas

Nem sempre o fortalecimento será a solução das lesões nas corridas. Recebo muitos corredores com microlesões, àquelas relacionadas a sobrecargas de treinamento e até mesmo de repetições de desvios posturais. A história natural desses corredores é procurar por ajuda profissional, que por muitas vezes orientam alongar, fortalecer e usar algum medicamento.

SAIBA MAIS »
Fisioterapia

Fascite plantar em corredores

Sabe aquela dor na sola do pé? Aquela que é pior ao levantar pela manhã, mas que também pode aparecer durante a corrida e estragar o seu treino ou no pós treino que te faz lembrar dela por um bom tempo? Pois é, é a fascite plantar! Ela é o processo inflamatório do tecido conjuntivo fibroso e pouco elástico conhecido como fáscia plantar, que se localiza do calcâneo até os dedos do pé. A mesma tem a função de manter a curvatura do arco plantar auxiliando na distribuição das cargas da corrida no pé.

SAIBA MAIS »